Temer exonera “afilhados” de senador do DF, após ele votar contra reforma

Temer exonera “afilhados” de senador do DF, após ele votar contra reforma

Aliado de primeira hora do presidente Michel Temer (PMDB), o senador brasiliense Hélio José, da mesma legenda, mudou o discurso ao perder cargos na Esplanada dos Ministérios. Ele criticou o Palácio do Planalto nesta quarta-feira (21/6), após ter dois indicados exonerados pelo governo federal. De acordo com o parlamentar, a medida é uma “retaliação” ao voto dele contra a reforma trabalhista na Comissão de Assuntos Sociais (CAS) do Senado, em sessão na terça (20).

Depois de colocar seus indicados na estrutura governamental, o senador brasiliense fez duras críticas ao governo. Ele acusou o presidente de chantagem e cobrou a renúncia dele do comando da República. “Acho que o governo está para o que der e vier. Eles enlouqueceram. Pegar um senador da República e retaliar com duas indicaçõezinhas não é justo. Não é um governo correto”, afirmou.

Hélio José chamou o governo de Michel Temer de “corrupto” e acusou a gestão de fazer “balcão de negócios”. Os aliados exonerados foram Vicente Ferreira, que ocupava o cargo de diretor de Planejamento e Avaliação da Superintendência do Desenvolvimento do Centro-Oeste (Sudeco), e Francisco Nilo Gonsalves Júnior, que era superintendente da Secretaria do Patrimônio da União (SPU) no DF.

O último é, inclusive, o funcionário citado por Hélio José em áudios divulgados no ano passado e que causaram polêmica. Nas gravações, o parlamentar afirma que poderia nomear “até uma melancia” para ocupar cargos públicos. O tópico da conversa onde a frase foi dita era a nomeação de Francisco Gonsalves Júnior para a SPU.

Em nota, o senador afirma que foi “surpreendido” pela decisão do governo Temer e critica a reforma trabalhista: “Não será (sic) essas represálias contraditórias que fará (sic) eu mudar de ideia. Estou certo e votei consciente. Votei a favor do trabalhador. O brasileiro não pode pagar o pato e ter seus direitos retrocedidos. Eu participei da luta trabalhista, lutei e continuarei lutando pela classe trabalhadora”, afirma.

Questionado se houve alguma ameaça de que poderia perder cargos antes da votação na CAS, o senador afirmou que o líder do governo, Romero Jucá (PMDB-RR), o havia alertado para não votar contra a proposta. Ele disse, no entanto, que não havia conversado com o correligionário após a votação de terça-feira.

Hélio José é suplente do governador Rodrigo Rollemberg (PSB) e assumiu a vaga em 2014, quando o titular foi empossado no Palácio do Buriti.

Conhecido no meio político pelo apelido de Gambiarra — devido a um “gato” que fez para puxar eletricidade e fornecer energia elétrica para uma festa na época em que era diretor da CEB —, Hélio José também foi destaque recente na política nacional, quando a prótese dentária que usava caiu durante um discurso no Senado.

 

*metrópoles 

Share Button

Facebook comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *