Ex-empregada doméstica lança campanha nas redes sociais para denunciar abusos de patrões

Ex-empregada doméstica lança campanha nas redes sociais para denunciar abusos de patrões

- EmMulheres
33
0

_90480237_euempregadadomestica_facebook

“Joyce, você foi contratada para cozinhar para a minha família, e não para você. Por favor, traga marmita e um par de talheres e, se possível, coma antes de nós na mesa da cozinha; não é por nada; só para a gente manter a ordem da casa.”

Essa foi, segundo a paulista Joyce Fernandes, de 31 anos, uma das frases que ouviu de uma ex-patroa em seu último trabalho como empregada doméstica, em 2009.

Hoje professora de História, ela decidiu criar a hashtag #EuEmpregadaDoméstica e uma página homônima no Facebook para denunciar o que chamou de “abusos dos patrões”.

“Meu objetivo é provocar e dar voz a quem não tem voz. Esse tipo de tratamento desumano acontece entre quatro paredes e essas mulheres, a maioria negras, não têm com quem desabafar”.

“Quero expor o que está sendo varrido debaixo do tapete. É preciso humanizar a relação entre patrões e empregados. Muitas vezes, naturalizamos agressões e opressões. Isso está errado”, acrescenta.

A página, criada à meia-noite de 21 de julho, já tem mais de 20 mil seguidores.

Segundo Joyce, a profissão de empregada doméstica deveria “acabar”, pois se trata de um “resquício da escravidão”.

“Mas enquanto isso não acontece, temos de lutar por um tratamento mais humano e igualitário. 

Joyce diz que ouviu de outra patroa que não deveria estudar por causa de sua “condição social”.

“Eu lhe havia pedido para sair mais cedo para poder fazer um curso pré-vestibular. Ela se recusou a me liberar dizendo que meu destino era ser empregada doméstica, como todas as mulheres da minha família”, afirma.

“Se conseguimos lidar com a limpeza do nosso corpo, por que não podemos limpar o nosso lixo? Por que precisamos de empregadas domésticas?”, questiona.

Além de lecionar, Joyce criou um projeto de empoderamento de mulheres acima do peso, a Ocupação GGG (“fizemos um ensaio na praia de Santos para combater a gordofobia”). E também usa a música como instrumento de mudança social.

“Tenho um projeto pedagógico pelo qual levo o hip hop para as escolas falando sobre questões sociais dentro de uma abordagem mais pessoal”, afirma.

“Prefiro usar meu microfone para cantar ou recitar a fazer discursos. Acredito que consiga envolver mais pessoas”, conclui.

 

Share Button

Facebook comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *